terça-feira, 1 de maio de 2012

Manifesto da Poesia Pau-Brasil- Por Oswald de Andrade (18/03/1924)




Manifesto da Poesia Pau- Brasil - Lançado por Oswald de Andrade no jornal Correio da Manhã, do Rio de Janeiro, em 18 de março de 1924, esse manifesto defendida uma poesia autenticamente brasileira: "Como o pau-brasil foi a primeira riqueza brasileira exportada, denominei o movimento Pau-Brasil". (Oswald de Andrade).

Oswald expressa nele o desejo de que o Brasil passe a ser cultura de exportação, como foi a árvore pau-brasil. Defende também que a sua poesia seja um produto cultural que não deva nada à cultura européia e que possa, inclusive, vir a influenciá-la.

Oswald atenta, durante todo o manifesto, para a necessidade dos brasileiros estarem voltados à realidade do país de forma bem mais intensa do que o que realmente é feito, vendo assim o Brasil de "dentro para fora". Ele era completamente contra uma certa visão estereotipada e preconceituosa típica das belas-artes européias que dominaram o Brasil por muito tempo.

A poesia Pau-Brasil pretendia então, da mesma forma que a primeira riqueza brasileira, a árvore de mesmo nome, se revestir de um caráter primitivista, assumindo criticamente os contrastes históricos e culturais aos quais a população do país foi submetida. É uma tentativa de síntese capaz de unir o "lado doutor" da cultura brasileira com o lado popular.Esse manifesto também apresenta uma proposta de literatura vinculada à realidade, a partir de uma visão concreta, possibilitando uma tomada de consciência de si mesmo e uma "redescoberta do Brasil".

manifesto foi desenvolvido pelo autor em tom de paródia e de festa, algo como uma prosa poética. O poema é organizado em unidades e referências históricas. Recupera o passado, explica o presente e preparar o futuro. Pode simplesmente ser um “eu-lírico” que vê tudo de cima, como uma câmera que abre o ângulo.O autor busca um fazer poético original e espontâneo, embora cite algumas diretrizes para a construção de um poema Pau-Brasil, como a síntese e o "desvio linguístico" , por exemplo. Antagoniza com as formas de arte da época no Brasil, as quais ainda estavam completamente dominadas pelo espírito da imitação, propondo uma poesia revolucionária, embora não se esteja falando aqui em revoluções políticas. 

Pode-se considerar que o Manifesto da poesia Pau-Brasil, tão importante, como se sabe, para a poesia modernista, embora fosse essencialmente estético, trazia em seu bojo os germes do que seria o antropofagismo, também criado por Oswald. A poesia Pau-Brasil reivindicava uma linguagem natural, avessa ao bacharelismo e pedantismo, conclamava a originalidade nativa. O primitivismo como imaginação, liberdade de espírito, a junção do moderno e do arcaico brasileiro culminando com uma revolução artística e cultural tendo por base as raízes primitivas do povo brasileiro. Note-se o quanto o Manifesto dá ênfase no "desvio" e nos "neologismos naturais". 


Vanessa Cavalcante























Um comentário:

  1. Além de ter provocado discussões sobre o surgimento da consciência nacional, o Manifesto Pau-Brasil conseguiu atualizá-la; rediscutindo a realidade com uma linguagem novíssima. Tão importante para a poesia modernista, já trazia no seu bojo os germes que gerariam o antropofagismo. O Manifesto Pau-Brasil reivindicava uma linguagem natural, avesso ao bacharelismo e pedantismo, conclamava a originalidade nativa.
    Em sua linguagem telegráfica e aforismática, o manifesto vinha carregado do espírito de época do qual Oswald é devedor: as vanguardas.

    Selma Cristina Gonçalves Costa.

    ResponderExcluir